março 01, 2006

James Lovelock: The Earth is about to catch a morbid fever that may last as long as 100,000 years

Each nation must find the best use of its resources to sustain civilisation for as long as they can

Published: 16 January 2006

Imagine a young policewoman delighted in the fulfilment of her vocation; then imagine her having to tell a family whose child had strayed that he had been found dead, murdered in a nearby wood. Or think of a young physician newly appointed who has to tell you that the biopsy revealed invasion by an aggressive metastasising tumour. Doctors and the police know that many accept the simple awful truth with dignity but others try in vain to deny it.

Whatever the response, the bringers of such bad news rarely become hardened to their task and some dread it. We have relieved judges of the awesome responsibility of passing the death sentence, but at least they had some comfort from its frequent moral justification. Physicians and the police have no escape from their duty.

This article is the most difficult I have written and for the same reasons. My Gaia theory sees the Earth behaving as if it were alive, and clearly anything alive can enjoy good health, or suffer disease. Gaia has made me a planetary physician and I take my profession seriously, and now I, too, have to bring bad news.

The climate centres around the world, which are the equivalent of the pathology lab of a hospital, have reported the Earth's physical condition, and the climate specialists see it as seriously ill, and soon to pass into a morbid fever that may last as long as 100,000 years. I have to tell you, as members of the Earth's family and an intimate part of it, that you and especially civilisation are in grave danger.

Our planet has kept itself healthy and fit for life, just like an animal does, for most of the more than three billion years of its existence. It was ill luck that we started polluting at a time when the sun is too hot for comfort. We have given Gaia a fever and soon her condition will worsen to a state like a coma. She has been there before and recovered, but it took more than 100,000 years. We are responsible and will suffer the consequences: as the century progresses, the temperature will rise 8 degrees centigrade in temperate regions and 5 degrees in the tropics.

Much of the tropical land mass will become scrub and desert, and will no longer serve for regulation; this adds to the 40 per cent of the Earth's surface we have depleted to feed ourselves.

Curiously, aerosol pollution of the northern hemisphere reduces global warming by reflecting sunlight back to space. This "global dimming" is transient and could disappear in a few days like the smoke that it is, leaving us fully exposed to the heat of the global greenhouse. We are in a fool's climate, accidentally kept cool by smoke, and before this century is over billions of us will die and the few breeding pairs of people that survive will be in the Arctic where the climate remains tolerable.

By failing to see that the Earth regulates its climate and composition, we have blundered into trying to do it ourselves, acting as if we were in charge. By doing this, we condemn ourselves to the worst form of slavery. If we chose to be the stewards of the Earth, then we are responsible for keeping the atmosphere, the ocean and the land surface right for life. A task we would soon find impossible - and something before we treated Gaia so badly, she had freely done for us.

To understand how impossible it is, think about how you would regulate your own temperature or the composition of your blood. Those with failing kidneys know the never-ending daily difficulty of adjusting water, salt and protein intake. The technological fix of dialysis helps, but is no replacement for living healthy kidneys.

My new book The Revenge of Gaia expands these thoughts, but you still may ask why science took so long to recognise the true nature of the Earth. I think it is because Darwin's vision was so good and clear that it has taken until now to digest it. In his time, little was known about the chemistry of the atmosphere and oceans, and there would have been little reason for him to wonder if organisms changed their environment as well as adapting to it.

Had it been known then that life and the environment are closely coupled, Darwin would have seen that evolution involved not just the organisms, but the whole planetary surface. We might then have looked upon the Earth as if it were alive, and known that we cannot pollute the air or use the Earth's skin - its forest and ocean ecosystems - as a mere source of products to feed ourselves and furnish our homes. We would have felt instinctively that those ecosystems must be left untouched because they were part of the living Earth.

So what should we do? First, we have to keep in mind the awesome pace of change and realise how little time is left to act; and then each community and nation must find the best use of the resources they have to sustain civilisation for as long as they can. Civilisation is energy-intensive and we cannot turn it off without crashing, so we need the security of a powered descent. On these British Isles, we are used to thinking of all humanity and not just ourselves; environmental change is global, but we have to deal with the consequences here in the UK.

Unfortunately our nation is now so urbanised as to be like a large city and we have only a small acreage of agriculture and forestry. We are dependent on the trading world for sustenance; climate change will deny us regular supplies of food and fuel from overseas.

We could grow enough to feed ourselves on the diet of the Second World War, but the notion that there is land to spare to grow biofuels, or be the site of wind farms, is ludicrous. We will do our best to survive, but sadly I cannot see the United States or the emerging economies of China and India cutting back in time, and they are the main source of emissions. The worst will happen and survivors will have to adapt to a hell of a climate.

Perhaps the saddest thing is that Gaia will lose as much or more than we do. Not only will wildlife and whole ecosystems go extinct, but in human civilisation the planet has a precious resource. We are not merely a disease; we are, through our intelligence and communication, the nervous system of the planet. Through us, Gaia has seen herself from space, and begins to know her place in the universe.

We should be the heart and mind of the Earth, not its malady. So let us be brave and cease thinking of human needs and rights alone, and see that we have harmed the living Earth and need to make our peace with Gaia. We must do it while we are still strong enough to negotiate, and not a broken rabble led by brutal war lords. Most of all, we should remember that we are a part of it, and it is indeed our home.

The writer is an independent environmental scientist and Fellow of the Royal Society. 'The Revenge of Gaia' is published by Penguin on 2 February


James Lovelock: A Terra está prestes a ficar com uma febre mórbida que talvez dure 100 mil anos.
Toda Nação precisa encontrar a melhor forma de usar seus recursos naturais de maneira a sustentar a civilização pelo maior tempo possível.

Publicado em 16 de Janeiro de 2006.

Imagine uma jovem policial trabalhando no cumprimento de sua vocação, depois imagine-a tendo que dizer a uma família cuja criança desaparecida foi encontrada morta, assassinada num bosque da redondeza. Ou então imagine um jovem fisiologista recém contratado ter que lhe dizer que a sua biópsia revelou uma invasão de um tumor em estado agressivo de metástase. Os médicos e a polícia sabem que muitos aceitam verdades terríveis com dignidade enquanto outros tentam em vão negá-la.

Qualquer que seja a reação, trazer notícias tão ruins raramente se tornam fáceis para quem cumpri sua tarefa, alguns a temem, inclusive. Nós livramos os juízes da horrível responsabilidade de aplicar a pena de morte, mas ao menos eles tinham algum conforto nas freqüentes justificativas morais. Médicos e policiais não têm como escapar ao seu dever.

Este é o artigo mais difícil que escrevi e pelas mesmas razões. Minha Teoria Gaia enxerga o comportamento da Terra como se ela estivesse viva, e claramente, como qualquer ser vivo pode gozar de boa saúde ou sofrer de alguma doença. Gaia fez de mim um fisiologista da Terra e eu levo minha profissão à sério, e agora, também tenho más notícias a trazer.

Os centros de estudo do clima ao redor do mundo, que equivalem ao laboratório de patologia de um hospital, tem reportado as condições de saúde da Terra. Especialistas do clima a vêem seriamente comprometida, e logo o aumento das temperaturas será mórbido podendo durar longos 10 mil anos. Eu devo lhe dizer, como membros da família Terra que somos, que você e especialmente a civilização corre grande perigo.

Nosso planeta manteve-se saudável e adequado à vida, assim como um animal faz, por grande parte dos seus mais de 3 bilhões de anos de existência. Foi má sorte começarmos a poluir no momento em que o Sol está quente de mais para ajudar. Demos à Gaia um estado de febre e logo sua condição irá piorar a um estágio de coma. Ela já esteve lá e se recuperou, mas isso levou mais que 10 mil anos. Nós somos responsáveis e sofreremos as conseqüências: enquanto o século caminha, a temperatura deverá subir 8o celsius em regiões de clima temperado e 5o celsius em regiões tropicais.

A maior parte das regiões tropicais se transformará em deserto e áreas secas, não servindo mais à regulação do clima. E isso se adiciona aos 40% de superfície terrestre que devastamos para nos alimentar.

Curiosamente, a poluição poe aerossóis do Hemisfério Norte reduziu o aquecimento global ao refletir a luz solar de volta ao espaço. Este ‘escurecimento global’ é transitório e tende a desaparecer em alguns dias, como a fumaça que é. Isso nos deixará totalmente expostos ao calor da estufa global. Nós estamos numa traquinagem climática, acidentalmente mantida mais fria pela fumaça; e antes que o século acabe, bilhões de nós morreremos e muito poucos remanescentes das raças que sobrarem estarão no Ártico onde o clima ainda permanecerá tolerável.

Ao falharmos em perceber que a Terra auto-regula seu clima e sua composição, nos enganamos tentando fazer isso nós mesmos, agundo como se estivéssemos em posição de fazê-lo. E assim, condenamos a nós mesmos a pior forma de escravidão. Se escolhêssemos ser como ferramentas da Terra, então teríamos que ser responsáveis pela manutenção da atmosfera, dos oceanos e da superfície terrestre, ideais para a vida. Tarefa que logo veríamos como impossível de ser realizada – tratamos Gaia tão mal enquanto ela deliberadamente fez tudo por nós.

Para entender o quanto é impossível, pense sobre como você faria para regular a sua própria temperatura ou a composição do seu sangue. Aqueles com rins comprometidos sabem a diária dificuldade sem fim de balancear a quantidade de água, sal e proteína a ingerir.

Meu novo livro ‘A vingança de Gaia’ expande esses pensamentos, mas ainda nos perguntamos como a ciência levou tanto tempo para reconhecer a verdadeira natureza da Terra. Penso que isso se deve à visão de Darwin que foi tão boa e clara que mesmo nos dias de hoje não é completamente entendida. No seu tempo, pouco se sabia sobre a química da atmosfera e oceanos, então, menos razões ainda para que ele questionasse se são os organismos que mudam o meio ambiente além de se adaptarem a ele.

Se fosse conhecido que a vida e o ambiente formam um casal tão próximo, Darwin teria visto que a evolução envolve não apenas os organismos, mas toda a superfície do planeta. Nós precisamos ver a Terra como se ela estivesse viva, e sabendo que não podemos poluir o ar ou usar sua pele – suas florestas e o ecossistema dos oceanos – como mera fonte de recursos para fabricação de produtos para nos alimentar e mobilhar nossas casas, nós sentiríamos instintivamente, que os ecossistemas precisam ser deixados intocados porque eles são parte da Terra viva.

Então o que devemos fazer? Primeiro, devemos ter em mente o incrível ritmo de mudança e perceber o pequeno tempo que temos sobrando para agir, e então cada comunidade e nação precisa encontrar seus melhores recursos disponíveis para sustentar a civilização pelo maior tempo possível. A civilização usa intensamente energia e não podemos nos desligar sem uma queda brusca, então, necessitamos da segrança de uma diminuição energética. Nas Ilhas Britânicas, nos acostumamos a pensar em toda a humanidade e não apenas em nós mesmos, a mudança no meio ambiente é global, mas temos que lidar com as conseqüências daqui do Reino Unido.

Infelizmente, nossa nação é no momento tão urbana, como uma imensa cidade, que temos apenas uma pequena porção de agricultura e florestas. Somos dependentes do comércio mundial para nossa subsistência, as mudanças climáticas irão nos negar o suprimento regular de comida e combustíveis vidos de outros continentes.

Poderemos produzir o suficiente para uma dieta da 2a Guerra Mundial, mas a noção de que será necessário separar terras para o cultivo de biocombustíveis, ou fazendas de energia eólica é ridículo. Nós faremos o melhor para sobreviver, mas infelizmente eu não vejo os Estados Unidos ou as economias emergentes da China e Índia voltando no tempo, e eles são os grande emissores. O pior irá acontecer e os sobreviventes deverão se adaptar num clima infernal.

Talvez a parte mais triste seja que Gaia irá perder muito mais do que nós. Não apenas a vida silvestre e seu inteiro ecossistema irá se extinguir, mas na civilização humana o planeta tem um recurso precioso. Não somos apenas uma doença, nós somos através de nossa inteligência e comunicação, o sistema nervosos do planeta. Através de nós, Gaia pôde ver-se do espaço e começar a conhecer seu lugar no Universo.

Deveríamos ser o coração e a mente da Terra, e não sua moléstia. Então, sejamos bravos e paremos de pensar somente nas necessidades e direitos dos homens, vejamos que prejudicamos a Terra viva e que precisamos fazer as pazes com Gaia. Precisamos fazer isso enquanto ainda somos fortes o suficiente para negociar e não uma turba desmanchada liderada por brutais senhores da guerra. Acima de tudo, precisamos lembrar que somos parte dela e que ela também é nossa casa.

The writer is an independent environmental scientist and Fellow of the Royal Society. 'The Revenge of Gaia' is published by Penguin on 2 February

Nenhum comentário: